quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Viva a Comunicação Eficaz

"Nem tudo que é falado, é ouvido;
Nem tudo que é ouvido, é escutado;
Nem tudo que é escutado, é entendido;
Nem tudo que é entendido, é praticado."
Francisco Teixeira Neto


Originária do Latim "COMMUNICARE", a palavra "COMUNICAR" significa "PÔR EM COMUM".

A comunicação está intrinsecamente relacionada à inteligência, à reflexão, à disciplina, ao senso comum e à velocidade.

Como podemos garantir uma comunicação integrada e eficaz? Dando ênfase à escuta. E qualquer forma de trabalho que venha a contribuir no melhoramento da escuta inclui-se em dois aspectos:

1) Desenvolver a consciência dos fatores que afetam a habilidade de ouvir;

2) Ampliar o tipo de experiência auditiva que pode produzir bons hábitos de ouvir (praticar a escuta).

Segundo o autor Ralph G. Nichols, em seu artigo publicado na Havard Business Review, a habilidade de ouvir pode ajudar a resolver alguns problemas específicos como:
  • Menos papelada: Ouvir processa a comunicação muito mais rápido do que a leitura (a leitura escrita, é claro);
  • Relações humanas: Durante uma apresentação verbal e oral, caso surjam dúvidas ou ambiguidade de ideias e compreensões, no mesmo ato, os conflitos são resolvidos, à medida que o mal entendido pode ser ali mesmo esclarecido quando o mal entendedor não conseguiu captar a essência da informação;
  • Ouvir para vender: Permitir-se ouvir as queixas, as necessidades do cliente (paciente, aluno, etc) facilita e dá ao emissor respaldo para produzir seu discurso, seu diagnóstico, sua aula, etc embasado nessas necessidades do receptor para poder vender o seu produto, uma vez que o alvo, a partir de então, é certo.
Para Cláudia Oliveira, "escrever e ler são formas de comunicação muito mais lentas que falar e ouvir". Segundo ela, "o verdadeiro sucesso de uma boa comunicação não está apenas na forma com a qual você emite sua mensagem, mas na certeza da compreensão plena do receptor e, para isso, é preciso habilidade para decifrar a linguagem simbólica, que nada mais é do que a comunicação involuntária que, em geral, é mais fidedigna que a nossa linguagem programada."

Produção escrita e adaptada do Prof. Emilson Martiniano, extraída da Palestra proferida por Cláudia Oliveira, Consultora da Deloitte, no Congresso Pernambucano de Gestão de Pessoas realizado pela Associação Brasileira de Recursos Humanos - PE, no Centro de Convenções de Pernambuco, nos dias 15, 16 e 17 de outubro de 2003, cuja temática fôra: Gestão com pessoas: os desafios do líder no novo pacto social.
OBS.: Você pode ler o artigo na íntegra. Ele foi publicado pelo Jornal do Commercio de Pernambuco no site: http://www2.uol.com.br/JC/sites/deloitte/artigos/a62.htm  .


2 comentários:

  1. É um texto muitíssimo interessante. Utilizarei-o, com certeza, no exercício do magistério. Aliás, ele será um excelente conteúdo para uma bela aula.

    ResponderExcluir
  2. Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão.
    Paulo Freire
    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir