sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Ilumine-se no Jesus do Natal

     É findo mais um ano de atividades humanas.

  O calendário da humanidade registra entre tantas datas o dia 25 de dezembro que representa o Natal, e a transição de um ano para outro, o Reveillon.

  São datas que marcam os corações dos seres humanos. Reflete-se nestas datas a percepção de que se faz necessário se congratular, se confraternizar com o outro, com o amigo, com o vizinho, com a família...

  É bem verdade que estas datas despertam em nós um sentimentalismo imenso. Porém não devíamos vê-las assim, situadas num determinado tempo. Devíamos viver em sua plenitude e em todos os dias não o Natal de Jesus, mas o Jesus do Natal, pois o Jesus do Natal é permanência, é existência, é viver intensamente o Amor que dEle flui a cada momento que passamos aqui.

  Reflitamos os dias de 2011, avaliemos quem fomos e o que fizemos, para sermos sempre úteis no exercício não só da nossa profissão, mas no exercício da nossa vida. Sejamos humanos no Amor de Cristo, pois só neste Amor podemos nos humanizar e ver Deus em mim e no outro para sermos e refletirmos para o mundo o Amor de Deus que exala suave perfume e enriquece a vontade e o prazer de sabermos que somos humanos, que somos imagem e semelhança do Jesus do Natal e que por isso podemos e somos felizes.

  Desejo a todos um Natal iluminado, um Natal que possa refletir em mim e em vocês por todos os dias da nossa vida a sua verdadeira essência num Novo Ano Feliz que se inicia.

                                                                                                              23/12/2011


                                                                      Prof. Emilson Martiniano e família

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Programa "Aprender Mais" visa fortalecer o rendimento escolar dos alunos da Rede Pública Estadual de Pernambuco

     Estando na Escola Coronel Luiz Ignácio Pessoa de Mello, as aulas do Prof. Emilson Martiniano  estão embasadas na proposta do Programa Aprender Mais da Secretaria de Educação de Pernambuco. Com foco na Matriz de Referência de Língua Portuguesa do Sistema de Avaliação Educacional de Pernambuco (SAEPE), as aulas têm por fundamento o estudo de gêneros textuais.
     A ideia é que, tomando por base as informações do  SAEPE e de um diagnóstico dos estudantes, sejam desenvolvidas atividades pedagógicas, a partir de dinâmicas de sala de aula que possibilitem ao estudante construir o seu próprio conhecimento. A problematização de situações didáticas que estimulem a compreensão, interpretação, análise e síntese das novas aprendizagens, priorizando as diferentes linguagens, devem ser desenvolvidas com dinâmicas diversificadas, utilizando materiais existentes na escola.
     Assim sendo, o Prof. Emilson Martiniano, no limiar da execução do programa, vem desenvolvendo as aulas sob estartégias de leitura,  a partir da sondagem dos conhecimentos prévios dos alunos, buscando permitir ao aluno ser sujeito de sua aprendizagem.
      Na obra elaborada pela SEDUC/PE é possível acompanhar quais conteúdos devem ser ministrados no decorrer da execução do Programa. Propõe-se aqui não apresentar um apontamento concreto, mas um subsídio de pesquisa que possa contribuir para que os alunos, numa possibilidade de dúvida, possam consultar e saná-la.

REFERÊNCIAS

PERNAMBUCO, Secretaria de Educação. Aprender Mais: língua portuguesa. Anos Finais do Ensino Fundamental. edição 2011. Recife: SE, 2011. 51p.

PERNAMBUCO, Secretaria de Educação. Aprender Mais: língua portuguesa. Ensino Médio. edição 2011. Recife:SE, 2011. 54p.



    segunda-feira, 3 de outubro de 2011

    Ministro da Educação anuncia que cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação serão gratuitos mesmo em Universidades e Faculdades Privadas

          Na tarde da última sexta-feira, dia 30 de setembro de 2011, no 7º Congresso "Inclusão: Desafio Contemporâneo para a Educação Infantil" promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Unidades de Educação Infantil da Rede Direta e Autárquica do Município de São Paulo (Sedin), o Ministro da Educação, Fernando Hadadad, anunciou que cursos de pós-graduação stricto sensu (mestrados e doutorados) em educação, mesmo em instituições privadas, serão gratuitos.

         Sobre esse anúncio, Haddad disse ainda que deve assinar já nos próximos dias uma portaria que dará a esses cursos o mesmo mecanismo do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies). Os professores que decidirem fazer o curso e trabalharem nas redes públicas terão a dívida saldada automaticamente.

       O Ministro da Educação admitiu que trabalha com dificuldade em um modelo de avaliação para a educação infantil. “Faço um desafio para vocês. Me mostrem os casos de sucesso e de eficiência para que possamos tabular esses valores.”

       Haddad creditou ao presidente Lula a inclusão da educação infantil no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), além do fornecimento de merenda, transporte escolar, biblioteca e livro didático. “O que mais me impressionou quando eu cheguei ao Ministério da Educação foi a constatação de que não só não havia mecanismos de financiamento, como não se dava importância a um ciclo tão importante da formação da criança.”

         O ministro lembrou da emenda constitucional que tornou obrigatória a educação dos quatro aos 17 anos e qualificou o Programa de Reestruturação da Rede Escolar Pública (ProInfância) como o maior programa de expansão da rede física educacional. “A presidenta Dilma conveniou 4 mil creches e destinou recursos para 6.400 creches em todo o pais, 172 apenas na cidade de São Paulo. Além disso, o Ministério da Educação vai se responsabilizar pelo primeiro ano de custeio antes do censo” – concluiu.

    sexta-feira, 23 de setembro de 2011

    Educação Básica do Brasil pode ter Carga Horária Diária de Trabalho e/ou Total de Dias de Trabalho ampliada


    Na abertura da 15ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Política Cultural, que aconteceu na quarta-feira, dia 21 de setembro de 2011, o Ministro da Educação, Fernando Haddad, junto ao Secretário de Ações Estratégicas da Presidência da República, Ricardo Paes de Barros, afirmaram que já estudam a possibilidade de ampliar o total mínimo de dias letivos atual de 200 dias estabelecido pela atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996) para 220 dias ou a ampliação das atuais 4h diárias de trabalho do professor em contato direto com o aluno para um mínimo de 5h, ou ainda a possibilidade de combinar as duas propostas.
    Segundo Haddad, quatro horas por 200 dias é um caminho que nenhum país está trilhando. Por isso mesmo, disse ele, está conversando com Secretários Estaduais e Municipais de Educação para essa possível ampliação. De acordo com ele, estudos estão sendo feitos para descobrir qual opção é menos onerosa para os cofres públicos, mas sem perder de vista o efeito sobre a qualidade da educação. “Não adianta adotar uma medida que é menos custosa, mas sem impacto na aprendizagem. Nós queremos efetividade para a melhoria da qualidade da educação”, disse o ministro.
    Um desses estudos está sendo coordenado pelo Secretário de Ações Estratégicas da Presidência da República, Ricardo Paes de Barros. Segundo o Secretário, o aumento do tempo de permanência dos alunos na escola produz impactos positivos na aprendizagem, e para isso, uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) é a oferta de educação integral em 50% das escolas públicas de educação básica até 2020.
    Com esse tratamento à questão, Haddad frisou que o país deve lutar pela expansão da jornada escolar como forma de diminuir a distância entre estudantes ricos e pobres, e reiterou que, até o fim do atual governo, pelo menos 40 mil escolas públicas de educação básica estarão incluídas no programa Mais Educação, pelo qual o Ministério da Educação oferece recursos e capacitação de professores para a implantação do ensino integral. “Até o fim da década, 50% das escolas brasileiras oferecerão ensino integral”, afirmou. “Não há um modelo engessado, mas um modelo ideal que precisa ser explorado.”
    O ministro disse ainda que o plano de cultura precisa ser pensado de forma a estar integrado com os esforços da educação. “Precisamos criar uma agenda forte com a cultura, não apenas no papel, ou não poderemos dar o salto de qualidade educacional que pretendemos”, salientou.
    Sobre essa proposta de integralização do ensino, entretanto, é preciso rever o currículo escolar, e as possibilidades da escola na construção do currículo, tempos e espaços da educação integral, expectativas de aprendizagens, cultura digital, entre outros temas, serão abordados no encontro Currículo e educação integral na educação básica: desafios e possibilidades, que começou nesta quarta-feira, 21, e segue até sexta, 23, em Brasília. Participam secretários municipais e técnicos de secretarias estaduais. 
    A Secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, Maria do Pilar Lacerda, que participou da abertura do evento, destacou o quanto foi oportuno unir as questões sobre currículo e educação integral em uma mesma diretoria do MEC para que se tenha uma visão mais integrada da escola. Segundo ela, “a escola de educação integral é a vanguarda de um projeto que efetivamente está mudando a educação no país.”

    Já a Secretária Municipal de Educação de Belo Horizonte, Macaé Maria Evaristo, que apresentou as experiências da capital mineira com a educação integral, defendeu que os gestores pensem o regime de colaboração entre os entes federados não apenas no quesito do financiamento. “É preciso construir responsabilidades também com a trajetória escolar das crianças e jovens”, disse ela.

    Questões como o tempo e espaço da educação integral e percursos formativos foram apresentadas pelos pesquisadores Luiz Percival de Brito, da Universidade Federal do Oeste do Pará, e Bia Goulart, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Bia, que tem formação em arquitetura, apresentou dados de seus trabalhos sobre a relação da escola com a cidade. De acordo com Maria do Pilar, o Mais Educação, desenvolvido pelo MEC, é uma proposta contemporânea que provoca o diálogo da escola com a cidade.

    O programa Mais Educação apresenta os seguinte dados:  atualmente, cerca de 15 mil escolas públicas participam do Mais Educação. O programa foi iniciado em novembro de 2008, com a participação de 1.380 escolas, em 55 municípios de todas as unidades da federação, beneficiando 386 mil estudantes. Em 2009, foi ampliado para 5 mil escolas, em 126 municípios, com atendimento para 1,5 milhão de estudantes. Em 2010, 389 municípios aderiram ao programa, que foi estendido para cerca de 10 mil escolas e beneficiou 2,3 milhões de alunos.

    terça-feira, 12 de julho de 2011

    Projeto do Senado Federal Brasileiro visa liberar contratação de professores para o Ensino Superior sem pós-graduação

    Se aprovado, projeto de lei que deve ir à votação no dia 12 de julho de 2011 alterará a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e permitirá que graduados sem títulos deem aula em caráter temporário - status que pode ser renovado indefinidamente. Proposta agrada a instituições particulares

    Um projeto de lei em tramitação no Senado autoriza universidades e faculdades a contratarem professores sem curso de pós-graduação. Trata-se do Projeto de Lei N° 220/2010 do Senado Federal. Pela proposta, qualquer pessoa que tenha diploma de graduação e experiência relevante vai poder lecionar em cursos superiores de forma temporária. Na verdade, a princípio, a proposta contemplava  apenas a  atuação na área de tecnologia e infraestrutura, mas conforme relatórios dos estudos legislativos sobre a questão, pode-se entender como serviços de infraestrutura não só os relacionados à realidade física (transporte, habitação, saneamento, etc), mas também os de equipamento social, contemplando saúde, educação e manifestações culturais. A medida agrada principalmente às instituições particulares e, já teve, na verdade, Pareceres favoráveis de duas Comissões Legislativas, especificadamente, da Comissão de Serviços de Infraestrutura e da Comissão de Educação, Cultura e Esporte. Caso seja aprovado, o projeto vai alterar o Art. 66 da Lei Nº 9.394/1996 denominada Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Hoje, a LDB diz que "a preparação para o exercício do magistério superior se faz em nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de mestrado e doutorado". Entretanto, segundo relatórios da Comissão de Serviços de Infraestrutura (autora do Projeto), a própria LDB contempla o "notório saber", sobre o que se firma a proposta para suprir a demanda de professores no Ensino Superior com titulação de pós-graduação Strict Sensu
    "É preciso flexibilizar, porque faltam titulados", diz o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), da Comissão de Educação, Cultura e Esporte e relator do projeto. Esta Comissão até parabenizou duplamente a Comissão de Serviços de Infraestrura pela sensibilização com essa situação, que tem dificultado o desenvolvimento do país, e também por colocar esse problema na esfera legislativa. Diz esta Comissão ainda que é de se perguntar se no alvorecer de Bolonha, Oxford, Harvard, Coimbra havia doutores diplomados, pois ao se implantar um novo curso superior, como se poderia exigir um diploma de um portador do saber e do conhecimento, se não existe um curso para formá-lo. Em sua análise, sobre o parágrafo único do Art. 66 da LDB há ainda um excesso de rigor ao se exigir que o notório saber seja reconhecido por universidade que disponha de curso de doutorado naquela área, pois, se assim fosse, nem Anísio Teixeira, reconhecidamente nosso maior cientista da educação, nem Burle Marx e Cândido Portinari, por ele recrutados para lecionar no Distrito Federal e Rio de Janeiro poderiam ter sido nelas brilhantes docentes.
    Assim entende-se que o contrato de professor temporário no Brasil não tem legislação específica. Universidades particulares têm autonomia para estabelecer suas regras. Nas instituições federais de ensino, segundo medida provisória que entrou em vigor no mês passado, até 20% dos professores podem ser temporários: eles têm um ano de contrato assinado, podendo ser prorrogado por mais um.
    Hoje, mesmo contrariando a LDB, segundo Censo do MEC em 2009, há 27.921 professores sem pós-graduação em instituições de ensino superior do Brasil.
    O projeto agrada principalmente aos grandes grupos privados, que tiveram expansão nos últimos anos. Mas representantes de instituições tradicionais demonstram apreensão com a proposta. O Ministério da Educação, na pessoa do Ministro Fernando Haddad e do Secretário do Ensino Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, além da Sociedade Brasileira de Física (SBF) na pessoa do seu Presidente, Celso de Melo, embora as posições do MEC e da SBF sejam diferentes, esperam conseguir adiar a votação para agosto. A SBF diz que pedirá que se faça uma audiência pública sobre a questão, e o MEC já apontou que até a Presidente Dilma Roussef é contrária ao projeto. 

    O Projeto foi aprovado e transformou-se em Lei, a Lei Nº 12.772/2012 e entra em vigor em março de 2013.

    Formação Continuada de Professores em Serviço 2011.2


    A TIMIDEZ NA ÓTICA DA PSICOLOGIA

    No reinício do ano letivo de 2011, como exigência estabelecida pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e outras legislações pertinentes, outra vez a Coordenadoria Pedagógica e Institucional do Colégio e Curso Benício Correia (CCBC), na pessoa do Prof. Esp. Emilson Martiniano, ministrou uma nova Formação Pedagógica para Professores de Escolas Particulares do Município da Aliança.

    Com o tema "A timidez na ótica da psicologia" buscou-se analisar e compreender essa situação vivenciada por professores nas salas de aula desde a Educação Infantil às séries mais altas da Educação Básica (Ensino Médio) dando-se à questão um tratamento pedagógigo diferenciado.

    O Encontro aconteceu na Sede do Colégio e Curso Benício Correia (CCBC), a partir das 7h30 do dia 14 de julho de 2011, numa quinta-feira.


    sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

    Professor de Escola Particular poderá ter Piso Salarial de R$ 950,00 garantido pela Legislação Brasileira



    No Congresso Nacional tramita o Projeto de Lei N. 6.956/2010, da Deputada Federal Maria do Rosário (PT - RS), que propõe o estabelecimento de um Piso Salarial para todos os Professores da Rede Particular de Educação Básica do Brasil. Restando análise agora apenas das Comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, o Projeto já tramita em caráter conclusivo. Segundo a autora do Projeto, "a regulamentação é necessária. Os professores da rede privada frequentemente cumprem jornadas de trabalho fora do previsto contratualmente". O texto do Projeto define que o valor será reajustado anualmente pela inflação acumulada medida pelo Índice Nacional de Preços ao consumidor (INPC), do IBGE. A jornada de trabalho será de, no máximo, 40 horas semanais, e o tempo destinado a atividades com alunos não poderá ser maior do que 2/3 da carga horária.

    Se aprovado, o Piso valerá também para todos os profissionais que exercem, nessas instituições de ensino, cargos de direção, planejamento, inspeção, supervisão, orientação e coordenação educacionais. Essa proposta é semelhante à Lei 11.738/2008, que aprovou o mesmo piso salarial para os professores da rede pública de ensino de nível básico.

    É bom que todos os professores dessa rede e todos que assumem cargos no Corpo Técnico dessas instituições acompanhem essa proposta. Entre em contato com o Congresso, procure o seu Deputado e exija a aprovação desse Projeto. Infelizmente, é verdade. São muitas as instituições de ensino, isso principalmente no interior dos Estados Brasileiros, que abusam desses profissionais que se submetem a uma carga horária absurda de trabalho, cumprindo inclusive atividades que fogem de suas verdadeiras atribuições, tendo que perder até mesmo os seus momentos e dias de repouso e lazer para atender as exigências desses empresários nas suas necessidades institucionais. Você pode acompanhar esse Projeto de Lei (PL) pelo seguinte endereço:

    http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/EDUCACAO-E-CULTURA/147543-PISO-PARA-PROFESSOR-DE-ESCOLA-PARTICULAR-PODERA-SER-DE-R$-950.html


    E aqui, eu gostaria de chamar a atenção dos leitores para o seguinte: Não bastará existir uma Lei Federal em que o texto aprovado diz respeito apenas aos números. Convém incluir também a obrigação de uma sindicância e cobrança do cumprimento da Lei por parte dos órgãos públicos (Ministério do Trabalho, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, Ministério Público, Delegacias Regionais de Educação, entre outros), bem como o estabelecimento de punições para os infratores. Afinal , para que são feitas as leis? Para serem cumpridas, é claro. A cobrança, por isso mesmo, deve começar da sociedade, e particularmente da comundade interessada (os professores), pois a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), através da qual, as escolas particulares são regidas, já estabelecia benefícios para essa classe trabalhadora, e ninguém percebeu. Nela consta o seguinte no Art. 323 e no seu Parágrafo Único:

    "CLT - CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO

    Art. 323. Não será permitido o funcionamento do estabelecimento particular de ensino que não remunere condignamente os seus professores, ou não lhes pague pontualmente a remuneração de cada mês.

    Parágrafo Único: Compete ao Ministério da Educação fixar os critérios para a determinação da condigna remuneração devida aos professores bem como assegurar a execução do preceito estabelecido no presente artigo."

    Cumprir obrigações é nosso dever, desde que essas obrigações sejam, de fato e de verdade nossas atribuições, mas cobrar nossos direitos é exercer a cidadania com dignidade e valor no espaço social democrático e igualitário.

    Dê o seu voto à proposta no site:
    http://www.votenaweb.com.br/projetos/497

    terça-feira, 25 de janeiro de 2011

    A obra de Shakespeare - Soneto XVIII

    Participando do I Encontro Didático de Inglês Instrumental promovido pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e a Universidade Aberta Vida (UNAVIDA), sob convite do Prof. Otoniel Machado, docente destas instituições de Ensino Superior, pude fazer uma rápida apresentação da importância cultural do escritor William Skakespeare para a literatura inglesa. Assim, essas foram as minhas palavras:





    Bom dia a todos os acadêmicos e professores presentes!


    Gostaria de agradecer ao Prof. Otoniel Machado pelo convite, pela honra de poder estar aqui participando do I ENCONTRO DIDÁTICO DE INGLÊS INSTRUMENTAL promovido pela UVA/UNAVIDA. Gostaria de falar um pouco sobre "A obra de Shakespeare - Soneto XVIII".
    Shakespeare é considerado um dos mais importantes dramaturgos e escritores de todos os tempos. Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, sendo retratadas frequentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura.
    Ele nasceu em Stratford-Avon, onde fez seus primeiros estudos, exatamente em 23 de abril de 1564. Casou-se aos 18 anos com Anne Hathaway, com quem teve 3 filhos (Susanna e os gêmeos Judith e Hamnet).
    Em 1591, foi morar em Londres (Inglaterra), em busca de oportunidades na área cultural. Ele começou a escrever sua primeira peça, a "Comédia dos erros", no ano 1590 e terminou-a quatro anos depois. Nesta época escreveu aproximadamente 150 sonetos. Faleceu em 23 de abril de 1616 e deixou-nos sonetos, entre outras obras, como o "Sonnet XVIII":

    SONNET XVIII

    Shall I compare thee to a summer's day?
    Thou art more lovely and more temperate:
    Rough winds do shake the darling buds of May,

    And summer's lease hath all too short a date:
    Sometime too hot the eye of heaven shines,
    And often is his gold complexion dimmed;
    And every fair from fair sometime declines,

    By chance, or nature's changing course untrimmed;
    But thy eternal summer shall not fade,
    Nor lose possession of that fair thou ow'st;
    Nor shall death brag thou wand'rest in his shade,
    When in eternal lines to time thou grow'st:

    So long as men can breathe or eyes can see,
    So long lives this, and this gives life to thee.

    A tradução para esse texto poético é:

    SONETO XVIII

    Se te comparo a um dia de verão?
    És por certo mais belo e mais ameno:
    O vento espalha as folhas pelo chão
    E o tempo do verão é bem pequeno

    Às vezes brilha o sol em demasia
    Outras vezes desmaia com frieza
    O que é belo declina num só dia
    Na terna mutação da natureza

    Mas em ti o verão será eterno
    E a beleza que tens não perderás
    Nem chegarás da morte ao triste inverno
    Nestas linhas com o tempo crescerás.

    E enquanto nesta terra houver um ser
    Meus versos vivos te farão viver.
    (William Shakespeare, 1609).

    O Soneto XVIII é dirigido a um jovem (Fair Youth), ressaltando o amor, que é descrito com muito lirismo, a quem se dirigem os poemas 1 ao 126.
    Na obra de Shakespeare, Fair Youth é um jovem sem nome, e o poeta o descreve com uma linguagem carinhosa, pelo que muitos estudiosos interpretam essa relação como um amor platônico. Nessa relação contextual, os sonetos 1 ao 17 não sugerem uma relação pessoal estreita; ao contrário, neles se recomendam os benefícios do matrimônio e a geração de filhos. A maioria dos sonetos posteriores ao Soneto XVIII, particularmente a partir do Soneto 20, onde identificamos que Fair Youth não é uma mulher, descreve variações de um relacionamento (um caso) entre o poeta e uma dama (Dark Lady), percebida nos sonetos 127 ao 152, que parece terminar quando o jovem sucumbe aos encantos dessa mesma dama, com quem manteve uma relação apaixonada, mas que lhe foi infiel. Estudiosos, entretanto, suspeitam de que essa dama era apenas uma personagem imaginária do poeta.

    REFERÊNCIAS:

    SHAKESPEARE: biografia, poemas e obras. Disponível em: www.suapesquisa.com/shakespeare. Acesso em 24 fev. 2010.

    SONETOS de William Shakespeare. Disponível em: www.starnews2001.com.br/sonnets. Acesso em: 24 fev. 2010.

    WILLIAM Shakespeare. Disponível em: www.tg3.com.br/shakespeare. Acesso em: 24 fev. 2010.

    sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

    Estudo da História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena deixa de ser uma possibilidade para tornar-se uma obrigatoriedade


    A COORDENADORIA PEDAGÓGICA do COLÉGIO E CURSO BENÍCIO CORREIA (CCBC) realizou Formação Continuada de Professores em Serviço

    O CCBC, na pessoa do seu Coordenador Pedagógico, Prof. Emilson Martiniano, realizou nos dias 27 e 28 de janeiro de 2011 uma FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM SERVIÇO para sugerir, debater e discutir propostas pedagógicas para o ano letivo de 2011.
    O Prof. Emilson Martiniano, atendendo à solicitação da Unidade de Desenvolvimento de Ensino (UDE) da Gerência Regional de Educação (GRE - Mata Norte/PE) da Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco (SEDUC/PE), definiu como conteúdo de estudo para essa Formação a Lei Federal N. 11.645/2008, o que gerou para esse encontro pedagógico o tema: "Estudo da História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena deixa de ser uma possibilidade para tornar-se uma obrigatoriedade". O Plano dessa Formação foi enviado à UDE/GRE que o encaminhou para o Ministério Público de Pernambuco que o solicitou para poder acompanhar o cumprimento da referida Lei nas Instituições de Ensino Públicas e Privadas do Estado de Pernambuco. Esperamos, com esse propósito, contribuir para um trabalho que não sendo apenas político, favoreça a sociedade brasileira em geral, incluindo aí negros e indígenas no respeito político, social, econômico e cultural do país como cidadãos africanos que somos, por origem, todos os brasileiros.
    A Formação teve como Formador o próprio Coordenador Pedagógico do CCBC, o Prof. Emilson Martiniano, e teve como Carga Horária  8h por dia (16h).

    Participaram desta FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM SERVIÇO os seguintes professores:
    • Alexsandra Maria da Silva;
    • Eliane Xisto Vilela;
    • Elis Patricia Tavares da Silva;
    • Eraldo de Oliveira Melo;
    • Evanduir Pereira da Silva Júnior;
    • Fagner Gomes Batista;
    • Gleyze de Fátima da Silva Ferreira;
    • Glória Niedna Felix;
    • Ilselane Marques Cardoso;
    • Janicleide Maria Bernardo;
    • Juliana Maria da Silva;
    • Karla Conceição Santana da Silva;
    • Maria Josefa Gabriel da Silva;
    • Maria Luziara da Silva;
    • Natália Paula Barboza de Freitas;
    • Rafael José da Silva;
    • Rita de Cássia Ferreira da Silva;
    • Roberto Severino de Oliveira Lima;
    • Rosinalda Rodrigues de Araújo.